Notícias > Basquetebol

2014-10-14

Os Sub 14 masculinos GDG/Conceito Familia em discurso directo

Listar >

A época passada ficou marcada pela proeza da conquista do campeonato distrital de Sub14 masculinos.
Com a saída de um número significativo de atletas por força da subida de escalão, a equipa de Sub 14 masculinos transporta a responsabilidade da "faixa de campeão", mas com a realidade bem presente e sem criar ansiedades desnecessárias.
O grupo de trabalho está diferente, mesmo mantendo o seu treinador, Salvador Alexandre Silva, e ainda alguns atletas da época passada, como é o caso do jovem Yosvani Culanda que assume o papel de capitão da equipa.
O GDG Basquetebol procurou saber qual o "estado de alma" dos Sub14 masculinos GDG/Conceito Família, para esta época 2014-2015, em entrevista ao seu treinador e ao capitão.

O Salvador Silva, treinador dos Sub 14 masculinos do Grupo Desportivo da Gafanha Basquetebol, está há quatro épocas no clube (sete anos como treinador). No seu currículo desportivo contam-se ainda cinco anos como atleta na Sanjoanense (de onde é natural), oito épocas na arbitragem (três delas como Nacional) e cinco anos de experiência como dirigente desportivo.

A época passada foi uma época gloriosa que culminou com a vitória do distrital do escalão. Deixemos o passado e olhemos o presente. Qual é a perspectiva para esta nova época?
(Salvador Silva) As perspectivas para esta nova época são as mesmas com que encarámos a época passada. A nível individual fazer crescer os nossos atletas em termos técnicos, tácticos e humanos. Ao nível colectivo conseguirmos atingir, em primeiro lugar, uma vaga no Grupo Nacional e a partir daí lutar por um lugar na Fase Final Distrital, pois acreditamos que só jogando contra as melhores equipas poderemos também tornar-nos melhores.

Mas a radiografia a este grupo, a equipa mais jovem da formação do GDG Basquetebol, difere da do ano passado...
(Salvador Silva) Claro que sim... O grupo é mais heterogéneo, já que contém sete atletas que se sagraram campeões a época passada e dez que subiram do escalão Mini 12. Temos vindo a trabalhar para conseguir integrar o mais rápido possível os atletas mais novos no escalão, na nova realidade que vão encontrar. Mas estamos esperançados que num futuro muito próximo vamos tornar-nos numa equipa muito competitiva e atingir os nossos objectivos.

Em relação ao trabalho (técnico - táctico - humano) a desenvolver Que importância atribuis aos primeiros passos da formação no basquetebol?
(Salvador Silva) Como em tudo os primeiros passos são essenciais. Inicialmente mais do que ensinar basquetebol devemos ensinar as regras de conduta dentro de um grupo para que possamos com maior facilidade, depois, ensinar os fundamentos básicos do basquetebol. É óbvio que um bom domínio dos aspectos básicos fará dos atletas melhores conhecedores do jogo e terão seguramente melhores argumentos para responder as dificuldades que lhes iram surgindo pela carreira fora.

É por essa razão que continuas nos sub14 masculinos… pelos desafios que são colocados a um treinador nos primeiros passos da formação.
(Salvador Silva) Quando iniciámos conversas em relação à nova época pusemos algumas hipóteses em cima da mesa. Com o decorrer das conversas chegámos à conclusão que o ideal seria manter-me neste escalão e dar continuidade ao trabalho que venho desenvolvendo já há duas épocas com a maioria dos atletas que compõem esta equipa. Como é também um escalão onde mais gosto de treinar estamos cá preparados para mais dez meses de "luta" para que no final possamos todos estarmos satisfeitos com o trabalho desenvolvido.

Foste atleta, árbitro, dirigente e agora treinador. Que análise fazes ao presente e ao futuro do basquetebol.
(Salvador Silva) Comecei no basquetebol quando esta modalidade era claramente a mais pratica a seguir ao futebol. Coincidência ou não as pessoas com maiores responsabilidades na modalidade continuam a ser as mesmas. É certo que os tempos agora são difíceis mas precisamos de gente nova, com novas ideias para que consigamos regressar ao topo. Se outras modalidades conseguem crescer mais com menos recursos , porque não o basquetebol conseguir também.

YosvaniCulanda é uma das jovens promessas doGDG Basquetebol (felizmente vão surgindo algumas e em número significativo).
Depois de se ter sagrado campeão distrital ainda com idade de minibasquetebol, integrando igualmente o projecto 2002 da ABA, é actualmente o capitão desta equipa Sub 14 masculinos. Nessa qualidade o GDG Basquetebol esteve, igualmente, à conversa com o atleta no sentido de desvendar que elos afectivo e desportivo o ligam ao clube e à equipa.

Regressemos a junho deste ano, final da época passada. Qual a sensação de conseguires ser campeão distrital de sub14?
(Yos) Foi uma sensação óptima porque para além de termos conseguido conquistar o título, fomos capazes de superar algumas adversidades, como por exemplo, o facto de termos jogado contra equipas que eram mais fortes fisicamente que nós.

O que achas que contribuiu para a conquista desse importante troféu?
(Yos) O nosso esforço, o nosso empenho nos treinos e nos jogos, o facto de nunca termos desistido e acima de tudo o nosso trabalho em equipa e companheirismo.

E agora? Como é que vai ser esta época 2014-2015?
(Yos) Acho que esta época vai ser complicada, para além de que temos uma equipa baixa, mas acho que se nos continuar-mos a esforçar como temos feito poderemos esperar bons resultados.

Ainda tens muitos anos pela frente no basquetebol. Até onde esperas chegar? Até onde vai o teu "sonho"?
(Yos) Eu pessoalmente tenciono chegar ao nível profissional e tenho como sonho tornar-me num jogador da NBA. (sorriso rasgado)

O que significa que vais ter que trabalhar muito...
(Yos) Acho que tenho muitas coisas a melhorar, começando por brincar menos nos treinos, aproveitar tudo que os meus treinadores tiverem para me ensinar para poder evoluir, aprender também com os meus colegas e acima de tudo terei de me esforçar sempre ao máximo.

Como capitão da equipa o que achas que deves transmitir aos teus colegas?
(Yos) Vamos dar o nosso melhor juntos e acima de tudo nunca desistir.

Como nota da direcção de comunicação do GDG Basquetebol, há genuidades que marcam. E o genuíno e a naturalidade do Yos são bem a imagem disso mesmo. Apesar da idade quase que apetece dizê-lo a cada resposta: "as crianças não mentem".

Listar >

Publicidade